Opinião do Especialista

Turismo e Imigração (Dr. Peter E. Tarlow)

Publicado por Peter Tarlow

Por todo o mundo, a imigração e os refugiados são um tema quente. A Europa está bloqueada no debate de como lidar com os milhões de pessoas que para aí pretendem migrar. Nos EUA um debate semelhante decorre por ocasião do processo eleitoral para as eleições presidenciais. Este artigo não trata do problema da imigração e dos refugiados, em si, mas procura analisar o impacto das movimentações de pessoas nas atividades turísticas.

O Turismo é muito mais que o simples movimento de pessoas de um local para outro. É também o intercâmbio de culturas. As movimentações turísticas não têm apenas a ver com pessoas que vão visitar outros lugares, porque as empresas turísticas recorrem frequentemente à “importação” de trabalhadores. Estas “pessoas de outras terras” não prestam somente os serviços necessários, como dão um toque de exotismo ou de internacionalização nos seus locais de emprego. Por exemplo, as empresas de cruzeiros sempre procuraram ter tripulações pluri-nacionais e pluri-linguísticas. Estes trabalhadores internacionais têm a oportunidade de viajar pelo mundo e dão um “ar” e uma “joie de vivre” especiais à experiência do cruzeiro. Em outros casos, pessoas de um país que prestam serviços em outro, se beneficiam normalmente de um nível salarial mais alto, além da experiência de ter vivido no exterior.

Infelizmente, devido à criminalidade internacional e ao terrorismo, as nossas possibilidades de viajar livremente ou de ter experiências de trabalho fora do nosso país têm de ser reavaliadas e em alguns casos deixaram de existir. A Tourism Tidbits deixa algumas sugestões para manter uma atividade de acolhimento aberta, mesmo seguindo padrões de segurança elevados. Por favor, tenha em consideração que cada destino tem as suas características próprias. A informação abaixo apenas procura incentivar um diálogo criativo, não indo até à formulação de recomendações específicas. Dessa forma, recomendamos sempre consultar as autoridades locais antes de tomar qualquer iniciativa específica.

– Crie uma Polícia Turística competente. A palavra-chave é competente. Poucos destinos turísticos têm uma Polícia Turística e muitos desses não a têm a mesma de forma treinada por especialistas, tanto na vertente policial como na turística. A Polícia Turística precisa estar preparada para lidar com muitas situações além de simples batedores de carteira. Precisa ser especializada em tudo, desde cibersegurança até à segurança hoteleira, desde os assuntos de imigração até aos de trabalho ilegal. A Polícia Turística também tem que saber trabalhar em conjunto com os outros profissionais de segurança, em especial com os que trabalham na segurança privada. Precisam ainda ter conhecimentos em Marketing, já que uma decisão pode fazer sentido em termos de segurança, mas, se destruir a imagem de uma cidade ou um país, será contraproducente. Por exemplo, é essencial saber quando a Polícia deve estar fardada e quando não. Os turistas tendem a gastar mais quando sentem uma presença policial, em havendo poucos agentes fardados pode-se perder muito em todos os sentidos.

– Crie uma Comissão de Imigração Turística. Esta Comissão deve estar composta por especialistas da polícia, das autoridades de imigração e aduaneiras, da hotelaria e do turismo, bem como do governo e do legislativo locais ou regionais. Garanta que as leis têm em conta tanto as necessidades em termos de segurança quanto econômicos.

– Aprenda com os outros. Assista a conferências sobre segurança turística, troque correspondência com colegas e aprenda o que deu resultado e o que não deu em matéria de segurança turística. Depois, adapte esses ensinamentos às suas necessidades locais. Tenha em atenção que algumas medidas podem não ter especificidades geográficas ou culturais, enquanto outras que funcionam em alguns locais já não servem em outros. Inclusive, o que está errado em um destino pode não o estar em outro.

– Torne os procedimentos de imigração rigorosos, sem deixarem de ser simpáticos. O controle das fronteiras e de alfândega é a primeira linha de defesa de qualquer país. É essencial que aqueles que aí trabalham tenham sido cuidadosamente selecionados, recebam o devido prestígio e correspondam aos tipos de personalidade certos. Pessoas que tendam a ser introvertidas são menos adequadas a tais tarefas que as extrovertidas. A conversa e o sorriso são uma parte essencial no que se refere ao reconhecimento de segurança. As perguntas devem ser diretas e precisas, com acompanhamento de perfis biométricos e psicológicos. Estes agentes têm de recordar sempre que são os protetores e os incentivadores do Turismo. Estes agentes têm de ser cuidadosos e precavidos, corteses e rigorosos.

– Reveja todos os formulários de entrada.  Normalmente, os formulários ou contêm questões sem sentido útil ou parecem ter sido concebidos para incomodar os turistas. Muitos formulários são difíceis de ler, bem como impossíveis de preencher a bordo de um avião. O resultado é que muitas pessoas prestam informações incorretas. É melhor obter menos informações corretas, do que muitas informações imprecisas. Dessa forma, não duplique as perguntas e, se a informação não for necessária, elimine-a.

– Crie protocolos para uma iniciativa destinada a trabalhadores estrangeiros. Existem duas vertentes diferentes para lidar com trabalhadores imigrantes. A primeira deve orientar aqueles que querem imigrar para trabalhar, e a outra aqueles que desejam trabalhar depois de já terem imigrado.

Primeiro passo

Não dependa do seu Governo para identificar as pessoas problemáticas. Isto significa que as empresas turísticas têm a responsabilidade de verificar tudo, desde as redes sociais até à reputação. Um dos maiores desafios atuais no que se refere aos Recursos Humanos consiste em identificar quem está disponível para assumir os Valores do país de acolhimento, e também os do Turismo.

Faça aos potenciais empregados perguntas diretas. Quanto mais diretas forem as perguntas mais fácil será avaliar a pessoa, incluindo a linguagem corporal.

Não prejulgue as pessoas. Existem boas e más pessoas em todos os países, grupos, religiões e gêneros. Uma mulher pode ser tão violenta quanto um homem. Julgue cada pessoa pelos seus méritos.

Fique atento desde o momento da contratação. Se algo destoar, use os mesmos critérios que empregaria na avaliação de riscos e não permita que o discurso ou as ações do “politicamente correto” influenciem no modo como enfrentará essa situação.

Segundo passo

Garanta que a pessoa é bem integrada na cidade de acolhimento e ajude-a a combater a solidão. Não é fácil ser um estranho em uma terra estranha. Entregar um cheque não basta. Garanta que a pessoa tenha oportunidades para fazer amizades e ter as alegrias próprias da sua cultura de origem.

Crie uma iniciativa com tutores ou parceiros. Tais iniciativas não só agregam valor à experiência dos imigrantes como previnem problemas de alienação, dos quais podem resultar em tragédias. Quanto melhor integrada estiver a pessoa na sociedade de acolhimento, menores serão as possibilidades de ter vontade de prejudicar quem a recebeu.

Compreenda as culturas. Frequentemente, o que parece ser violento para uma cultura não o é para outra. Apesar de um imigrante se ver obrigado a viver de acordo com as regras da nova cultura que o acolheu, um bom entendimento também da cultura do imigrante pode evitar falhas de comunicação e mal-entendidos.

Fonte: TOURISM & MORE’S “TOURISM TIDBITS” – edição de maio de 2016

Sobre o autor

Peter Tarlow

Dr. Peter Tarlow, PH.D, Founder and President of Tourism & More
Dr. Peter E. Tarlow is a world-renowned speaker and expert specializing in the impact of crime and terrorism on the tourism industry, event and tourism risk management, and economic development. Since 1990, Tarlow has been teaching courses on tourism, crime & terrorism to police forces and security and tourism professionals throughout the world.
Tarlow earned his Ph.D. in sociology from Texas A&M University. He also holds degrees in history, in Spanish and Hebrew literatures, and in psychotherapy. In 1996, Tarlow became Hoover Dam's consultant for tourism development and security. In 1998, Tarlow's role at the Bureau of Reclamation expanded. He was asked to develop a tourism security program for all Bureau of Reclamation properties and visitor centers. Tarlow continued his involvement with the Bureau of Reclamation until December of 2012. In 1999, the US Customs service asked Tarlow to work with its agents in the area of customer service, cultural awareness, and custom's impact on the tourism and visitor industry.
In 2000, due to interagency cooperation on the part of the Bureau of Reclamation, Tarlow helped to prepare security and FBI agents for the Salt Lake City 2002 Winter Olympic Games. He also lectured for the 2010 Vancouver Olympic Games. Tarlow is currently working with police departments of the state of Rio de Janeiro for the 2014 World Cup Games and 2016 Olympic games.
In 2003, US National Park Service asked Tarlow to take on special assignments dealing with iconic security for its multiple tourism sites. Within the US government Tarlow has lectured for the Department of the Interior, for the Department of Justice (Bureau of Prisons and Office of US Attorneys-General), the Department of Homeland Security and the American Bar Association’s Latin America Office. Tarlow has worked with other US and international government agencies such as the US Park Service at the Statue of Liberty, The Smithsonian's Institution's Office of Protection Services, Philadelphia's Independence Hall and Liberty Bell and New York's Empire State Building. He has also worked with the Federal Bureau of Investigation, The Royal Canadian Mounted Police, and the United Nation's WTO (World Tourism Organization), the Center for Disease Control (Atlanta, Triangle Series), the Panama Canal Authority. He has taught members of national police forces such as the members of the US Supreme Court police, and the Smithsonian Museum’s police. He has also worked with numerous police forces throughout the United States, the Caribbean and Latin America.
In 2013 Tarlow was named the Special Envoy for the Chancellor of the Texas A&M University System. At almost the same time the US State Department asked him to lecture around the world on issues of tourism security and safety. In 2013, Tarlow began working with the Dominican Republic’s national tourism police, then called POLITUR, and as of 2014 called CESTUR.
Since 1992, Tarlow has been the chief organizer of multiple tourism conferences around the world, including the International Tourism Safety Conference in Las Vegas. Since 2006 he has also been part of the organizational teams for the Biannual Aruba Tourism Conference and has helped organize conferences in St. Kitts, Charleston (South Carolina), Bogota, Colombia, Panama City, and Curaçao. In starting in 2013, Tarlow became a co-organizer of the first and second Mediterranean Tourism Conference held in Croatia.
Tarlow's fluency in many languages enables him to speak throughout the world (United States, the Caribbean, Latin America, Europe, and Africa, and the Eastern Pacific, and Asia). Tarlow lectures on a wide range of current and future trends in the tourism industry, rural tourism economic development, the gaming industry, issues of crime and terrorism, the role of police departments in urban economic development, and international trade.
Tarlow has done extensive research on the relationship between tourism, crime, and terrorism. He also works with police forces to understand their constituents and provide the best customer service possible. Tarlow publishes extensively in these areas and writes numerous professional reports for US governmental agencies and for businesses throughout the world. He also functions as an expert witness in courts throughout the United States on matters concerning tourism security and safety, and issues of risk management.
Tarlow’s research ranges from the impact of school calendars on the tourism industries to tourism ecology and business. These research interests allow Tarlow to work with communities throughout the United States. He is teaches how communities can use their tourism as an economic development tool during difficult economic times, and at the same time improve their local residents’ quality of life.
Tarlow speaks throughout North and Latin America, the Middle East and Europe, and Asia. Some of the topics about which he speaks are: the sociology of terrorism, its impact on tourism security and risk management, the US government's role in post terrorism recovery, and how communities and businesses must face a major paradigm shift in the way they do business. Tarlow trains numerous police departments throughout the world in TOPPS (Tourism Oriented Policing and Protection Services) and offers certification in this area. Tarlow provides keynote speeches around the world on topics as diverse as dealing with economies in crisis to how beautification can become a major tool for economic recovery.
Tarlow is a well-known author in the field of tourism security. He is a contributing author to multiple books on tourism security, and has published numerous academic and applied research articles regarding issues of security including articles published in The Futurist, the Journal of Travel Research and Security Management. In 1999 Tarlow co-edited "War, Terrorism, and Tourism." a special edition of the Journal of Travel Research. In 2002 Tarlow published Event Risk Management and Safety (John Wiley & Sons). Tarlow also writes and speaks for major organizations such as the Organization of US State Dams, and The International Association of Event Managers. In 2011, Tarlow published: Twenty Years of Tourism Tidbits: The Book. The Spanish language addition is to be released in 2012. He has recently published a book on Cruise Safety (written in Portuguese) entitled Abordagem Multdisciplinar dos Cruzeiros Turísticos. In June of 2014, Elsevier published Tarlow’s newest book: Tourism Security: Strategies for Effective Managing Travel Risk and Safety. He is currently writing a new book on tourism sports security (to be published in late 2016) and a series of articles on the same topic for the American Society of Industrial Security.
Tarlow’s wide range of professional and scholarly articles includes articles on subjects such as: "dark tourism", theories of terrorism, and economic development through tourism. Tarlow also writes and publishes the popular on-line tourism newsletter Tourism Tidbits read by thousands of tourism and travel professionals around the world in its English, Spanish, and Portuguese language editions. Tarlow has been a regular contributor to the joint electronic tourism newsletter, ETRA, published jointly by Texas A&M University and the Canadian Tourism Commission. His articles often appear in a wide range of both trade and academic publications including Brilliant Results and Destination World.
Tarlow lectures at major universities around the world. Tarlow is a member of the Distance Learning Faculty of "The George Washington University" in Washington, DC. He is also an adjunct faculty member of Colorado State University and the Justice Institute of British Columbia (Vancouver, Canada) and a member of the graduate faculty of Guelph University in Ontario, Canada. Tarlow is an honorary professor at the Universidad de Especialidades Turisticas (Quito, Ecuador), of the Universidad de la Policía Federal (Buenos Aires, Argentina), la Universidad de Huánuco, Peru, and on the EDIT faculty at the University of Hawaii in Manoa, (O'ahu). At numerous other universities around the world Tarlow lectures on security issues, life safety issues, and event risk management. These universities include institutions in the United States, Latin America, Europe, the Pacific Islands, and the Middle East. In 2015 the Faculty of Medicine of Texas A&M University asked Tarlow to “translate” his tourism skills into practical courses for new physicians. As such he teaches courses in customer service, creative thinking and medical ethics at the Texas A&M medical school
Tarlow has appeared on national televised programs such as Dateline: NBC and on CNBC and is a regular guest on radio stations around the US. Tarlow organizes conferences around the world dealing with visitor safety and security issues and with the economic importance of tourism and tourism marketing. He also works with numerous cities, states, and foreign governments to improve their tourism products and to train their tourism security professionals.
Tarlow is a founder and president of Tourism & More Inc. (T&M). He is a past president of the Texas Chapter of the Travel and Tourism Research Association (TTRA). Tarlow is a member of the International Editorial Boards of "Turizam" published in Zagreb, Croatia, "Anatolia: International Journal of Tourism and Hospitality Research," published in Turkey, and "Estudios y Perspectivas en Turismo," published in Buenos Aires, Argentina, and American Journal of Tourism Research.

Comente