Opinião do Especialista

A importância do uso de questionários (Peter Tarlow)

Publicado por Peter Tarlow

Talvez uma das formas menos compreendidas e mais utilizadas de pesquisa em turismo seja o “questionário”. Profissionais de turismo e profissionais de marketing utilizam esse método científico regularmente e as estatísticas desempenham um papel importante na tomada de decisões e no marketing do turismo.

Classicamente, o turismo deve ser dividido em pesquisa quantitativa e qualitativa. Ambas as formas de pesquisa são importantes e fornecem informações importantes sobre o mercado. Os dados estatísticos também são subdivididos em dados descritivos (dados que fornecem uma imagem da realidade atual) e dados referenciais (informações a partir das quais uma refer}encia ou uma predição podem ser feitas).

Muitos escritórios de turismo utilizam dados descritivos sob a forma de perfis demográficos. Esses dados fornecem uma imagem precisa da população do visitante. Quantos visitantes vêm da área x do mundo, qual é a divisão de idade ou qual é o agrupamento de renda ao qual o visitante pertence.

Muitas vezes, os profissionais de turismo assumem que tais estatísticas “simples” são fáceis de obter. Na realidade, dados precisos são muito mais difíceis de obter do que muitas pessoas imaginam. Os dados devem ser coletados através de algum instrumento de medida, geralmente um questionário. Apesar do equívoco popular de que os questionários são fáceis de escrever, a elaboração do questionário é uma arte com uma série de desafios. Por exemplo, um bom questionário não deve ser subjetivo, ele deve ser desenvolvido de tal maneira que cada questão signifique a mesma coisa para cada pessoa que responde a ela. Em áreas onde há um grande fluxo de turismo internacional, certamente haverá questões linguísticas e culturais envolvidas na redação de um questionário. Entre alguns dos outros erros mais comuns são os seguintes:

– Elabore perguntas curtas, simples e diretas. Longos questionários escritos não são respondidos ou respondidos de maneira aleatória.

– Quanto mais tempo o pesquisador esperar, menos precisos serão os dados. Com o passar do tempo, as pessoas tendem a esquecer ou idealizar um lugar. Uma vez que as pessoas retornam de férias, elas estão mais dispostas a falar sobre aquela experiência e preencher questionários mais longos, mas a perda de memória de curto prazo começa dentro de trinta dias do retorno do viajante para casa.

– Decida que tipo de questionamento melhor se adapta às suas metas. Você quer usar uma abordagem direta (geralmente chamada de estudo de interceptação) ou um questionário auto-administrado. Ambas as formas têm problemas e preconceitos. Por exemplo, no estudo de interceptação, as pessoas geralmente refletem o que acham que a entrevista quer ouvir e podem reagir positiva ou negativamente à “química pessoal” entre o entrevistador e o entrevistado. Outros problemas que você deve considerar são: esses dados foram corrompidos porque as perguntas foram feitas no início ou no final de uma viagem? Os entrevistados responderam de maneira diferente devido ao questionário aplicado durante a manhã, tarde ou noite? Em questionários auto-administrados, não há como ter certeza de que a pessoa que preencheu o questionário é um adulto ou criança ou mesmo um turista.

– Decida qual é a sua definição de turista e visitante. Grande parte da indústria do turismo ainda está discutindo quem é turista. Ao ler os dados do turismo, não deixe de procurar a definição de turista. Além disso, reserve um tempo para questionar como os entrevistados foram localizados e como os entrevistados foram atraídos para responder ao questionário.

– Apesar do que muitos profissionais de marketing gostariam de acreditar, há muito poucas amostras aleatórias reais. A maioria das amostras são grandes “amostras de conveniência”. Muitas vezes é impossível isolar a população do turismo de outras pessoas que podem não ser locais.

Para ajudá-lo a construir correto e preciso: os questionários do Tourism Tidbits sugerem o seguinte:

-Sempre correlacione seu questionário a um modelo social. Em outras palavras, você precisa determinar o que você quer saber e como você vai utilizar essa informação antes de começar a coletá-la.

-Tenha um estatístico especialista que examine o questionário antes de ser distribuído. Um questionário escrito de tal forma que os dados não possam ser tabulados ou analisados ​​não será mais do que um exercício dispendioso de frustração. Os erros mais comuns nos questionários são: o uso de “perguntas compostas” (uma pergunta que contém, ou implica, um “e” ou um “ou”), palavras que têm mais de um significado, confundindo com uma amostra aleatória, ou com uma fraca padronização do questionário.

– Selecione o estilo de questionário mais adequado às suas necessidades. As informações podem ser coletadas pessoalmente, por telefone ou pelo correio. Cada estilo de coleta de informações tem suas próprias vantagens e desvantagens. Cuidado com os custos ocultos que tornam o que parece ser a opção mais barata, na realidade, a mais cara.

– Teste seu questionário antes da distribuição. Faça o seu questionário dizer o que você quer dizer, não o que você acha que significa. Se as pessoas interpretarem mal o que você está dizendo, terá coletado muitos dados inúteis. Esta desinformação não é apenas inútil, é prejudicial. Para evitar essas armadilhas, faça um pré-teste para ver se surgiram ambiguidades em seu questionário.

– Obtenha a cooperação das pessoas que vão distribuir o questionário antes de desenvolvê-lo. Um questionário não distribuído nada mais é do que um exercício acadêmico muito caro! Traga a idéia de um questionário antes da próxima reunião da associação de hotéis e restaurantes ou da câmara de comércio local. Faça uma pesquisa de opinião para ver se as pessoas vão cooperar na distribuição antes de gastar o dinheiro para desenvolver o questionário.

-Desenvolva um sistema de recompensa que incentiva o desejo de responder. Durante as férias é menos provável que as pessoas preencham o questionário e menos precisa será a informação dada. Alguma forma de sistema de recompensa, como um cupom de desconto em um estabelecimento local, pode ser o incentivo necessário para aumentar a taxa de resposta e a utilidade de seus dados.

– Desenvolva uma técnica de distribuição que seja a mais cientificamente representativa de sua localidade. As estatísticas, quando aplicadas corretamente, muitas vezes podem fornecer informações altamente precisas e úteis para o turista profissional. Para obter essa informação, no entanto, os profissionais precisam coletar dados com alguma forma de uma amostra probabilística. Como observado, é impossível obter uma amostra probabilística sem definições prévias e uma determinação de qual “universo populacional” deve ser examinado. Muitas vezes, informações turísticas são obtidas a partir de dados estatísticos, chamados de “amostra de conveniência”. Por exemplo, uma amostra de conveniência é quando simplesmente paramos as pessoas na rua sem que cada visitante tenha a mesma chance de ser selecionado. As informações coletadas dessa técnica podem ser altamente tendenciosas e enganosas.

-Comece simples. Sempre comece com simplicidade e trabalhe na com a meta de refinar e sofisticar a pesquisa. Por exemplo, antes de buscar estatísticas inferenciais, certifique-se de ter estatísticas descritivas corretas. Certifique-se de coletar os dados que atendem às suas necessidades. Finalmente, nunca se esqueça de que as estatísticas podem dar ao pesquisador da área do turismo uma grande quantidade de informações, mas as estatísticas nunca contam toda a história; eles contam apenas parte dela.

Sobre o autor

Peter Tarlow

Dr. Peter Tarlow, PH.D, Founder and President of Tourism & More
Dr. Peter E. Tarlow is a world-renowned speaker and expert specializing in the impact of crime and terrorism on the tourism industry, event and tourism risk management, and economic development. Since 1990, Tarlow has been teaching courses on tourism, crime & terrorism to police forces and security and tourism professionals throughout the world.
Tarlow earned his Ph.D. in sociology from Texas A&M University. He also holds degrees in history, in Spanish and Hebrew literatures, and in psychotherapy. In 1996, Tarlow became Hoover Dam's consultant for tourism development and security. In 1998, Tarlow's role at the Bureau of Reclamation expanded. He was asked to develop a tourism security program for all Bureau of Reclamation properties and visitor centers. Tarlow continued his involvement with the Bureau of Reclamation until December of 2012. In 1999, the US Customs service asked Tarlow to work with its agents in the area of customer service, cultural awareness, and custom's impact on the tourism and visitor industry.
In 2000, due to interagency cooperation on the part of the Bureau of Reclamation, Tarlow helped to prepare security and FBI agents for the Salt Lake City 2002 Winter Olympic Games. He also lectured for the 2010 Vancouver Olympic Games. Tarlow is currently working with police departments of the state of Rio de Janeiro for the 2014 World Cup Games and 2016 Olympic games.
In 2003, US National Park Service asked Tarlow to take on special assignments dealing with iconic security for its multiple tourism sites. Within the US government Tarlow has lectured for the Department of the Interior, for the Department of Justice (Bureau of Prisons and Office of US Attorneys-General), the Department of Homeland Security and the American Bar Association’s Latin America Office. Tarlow has worked with other US and international government agencies such as the US Park Service at the Statue of Liberty, The Smithsonian's Institution's Office of Protection Services, Philadelphia's Independence Hall and Liberty Bell and New York's Empire State Building. He has also worked with the Federal Bureau of Investigation, The Royal Canadian Mounted Police, and the United Nation's WTO (World Tourism Organization), the Center for Disease Control (Atlanta, Triangle Series), the Panama Canal Authority. He has taught members of national police forces such as the members of the US Supreme Court police, and the Smithsonian Museum’s police. He has also worked with numerous police forces throughout the United States, the Caribbean and Latin America.
In 2013 Tarlow was named the Special Envoy for the Chancellor of the Texas A&M University System. At almost the same time the US State Department asked him to lecture around the world on issues of tourism security and safety. In 2013, Tarlow began working with the Dominican Republic’s national tourism police, then called POLITUR, and as of 2014 called CESTUR.
Since 1992, Tarlow has been the chief organizer of multiple tourism conferences around the world, including the International Tourism Safety Conference in Las Vegas. Since 2006 he has also been part of the organizational teams for the Biannual Aruba Tourism Conference and has helped organize conferences in St. Kitts, Charleston (South Carolina), Bogota, Colombia, Panama City, and Curaçao. In starting in 2013, Tarlow became a co-organizer of the first and second Mediterranean Tourism Conference held in Croatia.
Tarlow's fluency in many languages enables him to speak throughout the world (United States, the Caribbean, Latin America, Europe, and Africa, and the Eastern Pacific, and Asia). Tarlow lectures on a wide range of current and future trends in the tourism industry, rural tourism economic development, the gaming industry, issues of crime and terrorism, the role of police departments in urban economic development, and international trade.
Tarlow has done extensive research on the relationship between tourism, crime, and terrorism. He also works with police forces to understand their constituents and provide the best customer service possible. Tarlow publishes extensively in these areas and writes numerous professional reports for US governmental agencies and for businesses throughout the world. He also functions as an expert witness in courts throughout the United States on matters concerning tourism security and safety, and issues of risk management.
Tarlow’s research ranges from the impact of school calendars on the tourism industries to tourism ecology and business. These research interests allow Tarlow to work with communities throughout the United States. He is teaches how communities can use their tourism as an economic development tool during difficult economic times, and at the same time improve their local residents’ quality of life.
Tarlow speaks throughout North and Latin America, the Middle East and Europe, and Asia. Some of the topics about which he speaks are: the sociology of terrorism, its impact on tourism security and risk management, the US government's role in post terrorism recovery, and how communities and businesses must face a major paradigm shift in the way they do business. Tarlow trains numerous police departments throughout the world in TOPPS (Tourism Oriented Policing and Protection Services) and offers certification in this area. Tarlow provides keynote speeches around the world on topics as diverse as dealing with economies in crisis to how beautification can become a major tool for economic recovery.
Tarlow is a well-known author in the field of tourism security. He is a contributing author to multiple books on tourism security, and has published numerous academic and applied research articles regarding issues of security including articles published in The Futurist, the Journal of Travel Research and Security Management. In 1999 Tarlow co-edited "War, Terrorism, and Tourism." a special edition of the Journal of Travel Research. In 2002 Tarlow published Event Risk Management and Safety (John Wiley & Sons). Tarlow also writes and speaks for major organizations such as the Organization of US State Dams, and The International Association of Event Managers. In 2011, Tarlow published: Twenty Years of Tourism Tidbits: The Book. The Spanish language addition is to be released in 2012. He has recently published a book on Cruise Safety (written in Portuguese) entitled Abordagem Multdisciplinar dos Cruzeiros Turísticos. In June of 2014, Elsevier published Tarlow’s newest book: Tourism Security: Strategies for Effective Managing Travel Risk and Safety. He is currently writing a new book on tourism sports security (to be published in late 2016) and a series of articles on the same topic for the American Society of Industrial Security.
Tarlow’s wide range of professional and scholarly articles includes articles on subjects such as: "dark tourism", theories of terrorism, and economic development through tourism. Tarlow also writes and publishes the popular on-line tourism newsletter Tourism Tidbits read by thousands of tourism and travel professionals around the world in its English, Spanish, and Portuguese language editions. Tarlow has been a regular contributor to the joint electronic tourism newsletter, ETRA, published jointly by Texas A&M University and the Canadian Tourism Commission. His articles often appear in a wide range of both trade and academic publications including Brilliant Results and Destination World.
Tarlow lectures at major universities around the world. Tarlow is a member of the Distance Learning Faculty of "The George Washington University" in Washington, DC. He is also an adjunct faculty member of Colorado State University and the Justice Institute of British Columbia (Vancouver, Canada) and a member of the graduate faculty of Guelph University in Ontario, Canada. Tarlow is an honorary professor at the Universidad de Especialidades Turisticas (Quito, Ecuador), of the Universidad de la Policía Federal (Buenos Aires, Argentina), la Universidad de Huánuco, Peru, and on the EDIT faculty at the University of Hawaii in Manoa, (O'ahu). At numerous other universities around the world Tarlow lectures on security issues, life safety issues, and event risk management. These universities include institutions in the United States, Latin America, Europe, the Pacific Islands, and the Middle East. In 2015 the Faculty of Medicine of Texas A&M University asked Tarlow to “translate” his tourism skills into practical courses for new physicians. As such he teaches courses in customer service, creative thinking and medical ethics at the Texas A&M medical school
Tarlow has appeared on national televised programs such as Dateline: NBC and on CNBC and is a regular guest on radio stations around the US. Tarlow organizes conferences around the world dealing with visitor safety and security issues and with the economic importance of tourism and tourism marketing. He also works with numerous cities, states, and foreign governments to improve their tourism products and to train their tourism security professionals.
Tarlow is a founder and president of Tourism & More Inc. (T&M). He is a past president of the Texas Chapter of the Travel and Tourism Research Association (TTRA). Tarlow is a member of the International Editorial Boards of "Turizam" published in Zagreb, Croatia, "Anatolia: International Journal of Tourism and Hospitality Research," published in Turkey, and "Estudios y Perspectivas en Turismo," published in Buenos Aires, Argentina, and American Journal of Tourism Research.

Comente