Opinião do Especialista

25 anos depois o Tolerância Zero de NY será aplicado no Rio de Janeiro (Telius Memoria)

Publicado por Telius Memoria

Por estes dias, esteve no Rio o ex Prefeito de Nova Iorque, Rudolph  Giuliani, idealizador do conhecido programa de segurança “tolerância zero”, por ele implantado naquela cidade com grande sucesso. Fez uma palestra e após o Governador do Rio assinou um convênio com a Fecomércio sobre este assunto. O “tolerância zero” aconteceu em 1990, há 25 anos passados e o mundo o comentou e estudou, porque foi uma novidade em termos de segurança pública que tirou NY de um escândalo de criminalidade, colocando a cidade entre as mais seguras dos Estados Unidos. Fiquei a me indagar: porque nestes 25 anos, nossos governantes não se interessaram por estudar e aplicar, adaptadamente este programa?  Por que? Será que poderemos dele esperar alguma melhoria na segurança pública ? Certamente Giuliani não trouxe nenhuma novidade.

O que de verdade vivemos é um incremento na criminalidade. Crime não é assunto só de polícia e nem esta, sozinha, pode resolvê-lo.”Tolerância zero” não foi um programa somente policial e, sim, de segurança pública. Claro que o aumento da criminalidade tem forte ligação com a ineficiência do aparato de segurança. Mas esta ineficiência certamente demonstra uma ineficiência do governo, pois a polícia depende do governo. Ao permitir a escandalosa favelização da nossa cidade, o governo criou para todos um problema de segurança, moradia, mobilidade, higiene, de dimensões assustadoras, que hoje aflige a todos. A desorganização evidente da cidade do Rio do Janeiro vem maculando a linda imagem da cidade maravilhosa, imagem que lutamos desesperadamente para manter.

Segurança é parte da Ordem Pública e esta envolve todos os setores da vida pública e privada, responsabilidade do Governo. Tem sido comum responsabilizar exclusivamente o aparato de segurança pela violência, mas trata-se de uma visão meramente popular. O combate ao crime envolve inúmeras providências, inclusive uma legislação adequada ao momento, como feito em países que passaram por crises neste campo o que, ao meu ver, ainda não compreendemos.

Sobre o autor

Telius Memoria

TELIUS ALONSO AVELINO MEMORIA

Advogado

1965/66 - Delegado de Polícia e Comissário Chefe da Seção de Investigação da Delegacia de Vigilância do Estado da Guanabara (Autoridade Policial Civil)

1967/68 - Diretor da Penitenciária Professor Lemos Brito, da Secretaria de Justiça do Estado da Guanabara.

1972- Eleito Presidente da Associação do Ministério Público do Estado da Guanabara.

1972- Promovido por merecimento ao cargo de Promotor Substituto do Ministério Público do Estado da Guanabara.

1974- Promovido por merecimento ao cargo de Promotor Público do Ministério Público do Estado da Guanabara.

1975/78 - Nomeado Diretor-Presidente da Imprensa Oficial do Estado do Rio de Janeiro (empresa pública). Responsável pela organização do atual Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro. Dispensado a pedido.

1980/81 - Assistente do Procurador Geral de Justiça do Estado do Rio de Janeiro.

1981/83 - Assessor Jurídico do Secretário de Estado de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro.

1986- Promovido ao cargo de Procurador de Justiça, titular da 3ª Procuradoria de Justiça junto à 1ª Câmara do Tribunal de Alçada Criminal.

1996/2015 -Conselheiro da Associação Comercial do Rio de Janeiro, Membro do Conselho Empresarial de Segurança Pública , Ética e Cidadania.

Comente